Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
9/12/21 às 15h07 - Atualizado em 9/12/21 às 15h07

GDF vai investir R$ 10,5 mi em reciclagem e isentar cooperativas do IPTU

COMPARTILHAR

Montante vai permitir a construção de um novo galpão e melhor aproveitamento do vidro e plástico; isenção vai poupar R$ 500 mil para as associações

 

Governador anunciou que R$ 10,5 milhões serão investimentos para a construção de um novo galpão e no aprimoramento da reciclagem de vidro e plástico | Fotos: Renato Alves/Agência Brasília

O governador Ibaneis Rocha visitou o Complexo de Reciclagem do Distrito Federal (CIR/DF) na manhã desta quinta-feira (9).

O encontro com catadores de recicláveis das associações e cooperativas que administram o local serviu para o chefe do Executivo local agradecer o trabalho desses profissionais, anunciar investimentos de R$ 10,5 milhões para o próximo ano e comunicar que o GDF enviou à Câmara Legislativa do DF (CLDF) um Projeto de Lei (PL) para isentar as cooperativas de pagarem o IPTU.

Para que as associações sejam isentas do IPTU, o PL precisa ser votado e aprovado pela Câmara Legislativa, o que deve ocorrer nos próximos dias, segundo o vice-presidente da Casa, Rodrigo Delmasso.

Ao todo, são 11 cooperativas que somam 495 catadores trabalhando na triagem e comercialização dos materiais. São duas mil toneladas de resíduos sólidos processados por mês, número que pode atingir cinco mil toneladas

Com a isenção do IPTU, que faz parte do pacote de ações do programa Pró-Economia II, as cooperativas devem poupar R$ 500 mil. Outra medida anunciada são os R$ 10,5 milhões em investimentos para a construção de um novo galpão e no aprimoramento da reciclagem de vidro e plástico.

“Vemos aqui o resultado do trabalho, do investimento, da busca de soluções. O sonho de milhares de pessoas está sendo realizado com esse Complexo de Reciclagem. Temos tantas pessoas que encontram aqui o seu ganha-pão e por isso só pensamos em trabalhar mais e mais. É uma virada de página na vida de vocês e não tem nada melhor para um governante ver a vida das pessoas mudando”, agradece o governador Ibaneis Rocha.

Secretário do Meio Ambiente, Sarney Filho lembrou que a inauguração do complexo, que completou um ano em 2 de dezembro, marca uma nova história para esses profissionais.

“Saíram do abandono e da disputa do lixo para estarem num local que é referência em todo Brasil e América do Sul. Com a isenção do IPTU as cooperativas vão poupar R$ 500 mil e ano que vem ainda investiremos mais R$ 10,5 milhões no complexo”, garante.

O Complexo Integrado de Reciclagem ocupa uma área de 80 mil metros quadrados em uma área próxima à Cidade Estrutural. Ele está estruturado em três galpões que possuem capacidade de gerar mais de 750 postos de trabalho para trabalhadores de materiais recicláveis.

Ao todo, são 11 cooperativas que somam 495 catadores trabalhando na triagem e comercialização dos materiais. São duas mil toneladas de resíduos sólidos processados por mês, número que pode atingir cinco mil toneladas.

Presidente da Central de Cooperativas de Materiais Recicláveis do Distrito Federal (Centcoop/DF), Aline Souza destaca em números a potência do Complexo de Reciclagem.

“Esse é o primeiro Natal a ser comemorado aqui, temos muitos desafios, mas estamos aqui para agradecer pelos números alcançados. São 450 postos de trabalho, R$ 11 milhões movimentados com materiais recicláveis. Não existe um modelo igual ao de Brasília, um complexo igual a esse. E nenhum outro estado teve tanto apoio quanto nós”, assegura.

Já a presidente da Cooperativa de Reciclagem Ambiental da Cidade Estrutural (Coorace), Lucia Fernandes do Nascimento, rememorou a luta de dez anos para que os catadores tivessem um espaço adequado para trabalho.

Mais do que o espaço, comemora pela primeira vez ter a carteira de trabalho assinada, uma grande vitória para ela e mais 45 funcionários.
“Para nós é uma grande emoção. É importante ver esse interesse, era um sonho de mais de dez anos, e as cooperativas que saíram do Lixão e estão trabalhando em um lugar digno, esse espaço representa um grande avanço. É luta, uma garra muito grande de todos os catadores”, aponta.